O Poder do Pensamento Positivo 📚

Eu não sei vocês, mas… eu sou uma pessoa extremamente sensível. Especialmente a mim mesma. Hehe. Deixa eu explicar.

Embora eu pratique estar presente e atenta ao que está acontecendo, a como estou me sentindo e como é melhor agir naquele momento (o Abraham-Hicks tem um conceito de segmento que acho bem interessante), tem horas que simplesmente NÃO DÁ!

Às vezes, a gente entra no piloto automático e nem se toca de que não estamos mais no controle. E quem está? Há quem diga que é o subconsciente. O americano tem um ditado popular que diz “Jesus take the wheel”. E, eu espero, realmente, que seja sempre uma sabedoria superior e transcendental que assume o comando quando ativamos esse modo.

Por isso, eu valorizo especialmente os hábitos do dia-a-dia. As coisas pequenas que incorporamos lentamente com a persistência e constância (vide a frase no topo da minha página). Lembro sempre da regente do meu coral no colégio, Tia Anez: “costume de casa vai à praça”.

Não sei se é só eu, mas… já percebeu como é difícil encontrar esse apoio ao nosso redor? Começando pelo jornal da manhã, ao pessoal de casa e aos colegas de trabalho, não dá pra esperar pelo mundo pra sintornizarmos ao melhor de nós. E aqui entram minhas companhias preferidas: os livros.

Há algo muito poderoso na palavra escrita, que viaja tempos, séculos, carregando consigo uma mensagem com grande capacidade de nos tocar e transmutar todos os pensamentos.

E, por isso, se não temos controle sobre o mundo ao redor, muito menos sobre as pessoas, temos total voz de comando dentro de nós e com o que alimentamos nossa mente.

No momento, estou lendo este livro e, no começo achei meio chato. Percebi que era eu quem estava meio exaltada e apressada, algo meio “afinal, qual é a moral da história?”.

“O Poder do Pensamento Positivo” é uma leitura lenta, pra apreciar e absorver a mensagem do livro. O autor intercala as mensagens com episódios vividos por ele e isso deixa a leitura mais interessante, prática.

Ele vai explicando e dando dicas de como criar o hábito do pensamento positivo e sua importância. Tô amando! Estou lendo no Scribd, que assinei semana passada – sem querer, só queria ler um artigo e esqueci de cancelar, mas tô gostando – e lá tem mais livros em inglês (prefiro), mas tem como ler uma prévia na amazon ou ouvir em português no YouTube.

Meu querido embargo!

Gente, se tem uma coisa que eu AMO… é fazer Embargos de Declaração.

No primeiro escritório em que eu trabalhei, meu chefe tinha um approach muito único e diferente dele ou talvez não, mas… era meu primeiro emprego, então, pra mim era novidade.

No caso dele, ele usava os Embargos como uma ferramente de diálogo e preparação. Ele utilizava especialmente com o intuito prequestionador e, por isso, aventava perspectivas, não inovadoras, mas… apresentava uma derradeira oportunidade de convencer o Juiz e esmiuçar os julgados.

Era BEM interessante. Ele, especialmente, apontava como a decisão, nos moldes em que foi dada, violava o ordenamento jurídico e isso me fez criar um amor especial pelos Embargos de Declaração.

Com o tempo, fui dando meu próprio toque e, hoje, é minha peça preferida! Vejo como uma oportunidade de dialogar e debater o caso com o juiz, coisa que, não sei vocês, mas… penso não ter muito espaço no procedimento brasileiro.

É raro ter um momento de antítese com o posicionamento do juiz, como temos nos embargos, já que, os recursos que se pode utilizar para modificar julgados e decisões são oponíveis à instância superior. Por isso, meu carinho especial pelos Embargos.

Eu já fiz um roteiro sobre essa amada peça aqui, pra provar cabalmente, como eles sempre tiveram um lugar especial no meu coração jurídico.

Ah, e um spoiler sobre a caso do post: só foi revertido em segunda instância, por apelação.

Forte abraço a todos,

Paula Camila Pinto

Oi, mundo!

Depois de muitos anos… nem sei quantos… estou de volta!

Eu sou uma pessoa que, pra pensar, precisa de isolamento. Minha presença online diminuiu bastante e eu me foquei no mundo ao meu redor e, especialmente, no meu mundo interior.

Quando comecei a escrever no meu blog, eu era só uma advogada começando minha carreira. Inexperiente, assustada. Não digo perdida porque… perdida estou sempre, mas nunca.

Hoje, me sinto mais confiante, muito mais comprometida com a Advocacia. Realmente descobri os prazeres do cotidiano – embora, sabe… ainda há aqueles dias. Aqueles casos comprados, aquele aperto político dos bastidores que atrapalha o processo… e aí, eu xingo tudo. E no outro dia, volto melhor que antes.

Eu realmente estou muito orgulhosa de quem eu sou e de quem eu me torno a cada dia. Devo muito disso aos desafios da Advocacia e vou voltar a compartilhar sobre eles por aqui. Do meu ponto de vista!

Estou bem animada em dar “oi” pra todo mundo de novo. Me abrir ao mundo virtual! Hehe. E escrever muito porque… é disso que eu gosto.

Um forte abraço a todos,

Paula Camila Pinto

Você está pronto?

Pensamento

Se a vida fosse uma orquestra, nós seríamos o maestro. Contudo, ao invés de usar os gestos das mãos e a batuta, nós a regemos com nossas emoções, pensamentos, atitudes, escolhas e ações.

Somos o elemento central de nossa própria existência, estabelecendo o ritmo em que as coisas acontecem. Por isso, autoconhecimento, inteligência emocional e autocontrole são imprescindíveis, pois precisamos ter a capacidade de estar presentes e reconhecer a oportunidade que cada momento apresenta. É necessário percepção e consciência de nós mesmos para podermos agir no agora conforme ele exige de nós para nos conduzir até onde queremos.

Digamos, por exemplo, que eu deseje realizar uma viagem. Qualquer um – salvo os espíritos aventureiros – me diriam que seria pouco prudente viajar sem que eu estivesse preparada. Como chegarei onde quero? Irei de carro, trem, avião? Se for de avião, preciso de uma passagem. Se for de carro, preciso saber a rota, as estradas que me levarão até lá. Onde me hospedarei? Preciso fazer reservas para um hotel? E se desejo ir a outro país? Preciso saber falar a língua? E a moeda? Precisarei de autorização para ingressar no seu território?

A nossa existência não é diferente. Nós podemos realizar qualquer coisa, mas para isso, precisamos estar preparados, ser capazes.

Se a oportunidade que você tanto espera surgisse hoje, você estaria pronto? E se a mulher/homem dos seus sonhos entrassem em sua vida, você seria capaz de construir o relacionamento que você tanto quer? E se você recebesse uma oferta para o emprego tão sonhado, você estaria apto a desempenhá-lo com excelência?

É comum olharmos para fora e observar todas as razões pelas quais aquilo que queremos não acontece. Contudo, precisamos olhar para dentro, para nós e nos perguntarmos: EU estou pronto? Eu fiz minha tarefa de casa? Eu criei o espaço necessário para acomodar os relacionamentos, a carreira, o estado de saúde que eu almejo?

O universo no qual existimos é extremamente generoso. Albert Einstein resumiu isto quando disse que “a vida não dá e nem empresta, não se comove e nem se apieda. Tudo quanto ela faz é retribuir e transferir aquilo que nós lhe oferecemos”. Por isso, cabe a nós preparar o terreno, semear e esperar que a natureza cumpra seu papel. E é esse todo o nosso trabalho: nos prepararmos para receber aquilo que estamos pedindo, pois ninguém pode nos negar nada, a não ser nós mesmos.

Então, em verdade, não é preciso descabelar-se, contorcer-se para que o que é bom aconteça. Não há razão para culpar a economia, o governo, o marido, o ex, o clima por você não estar vivendo aquilo que você quer pra você.

A beleza, o Amor, a prosperidade são abundantes. Mas todos eles esperam que nós façamos nossa parte: o de estarmos prontos. Afinal, o cometa vai passar, como ele sempre passa, e neste momento, só nos restará agarrar sua cauda e aproveitar o passeio.

O lado B (negativo) da mudança

Mudar é preciso. Tudo está em constante desenvolvimento e aquele que não se adapta, acaba sendo empurrado pela força da correnteza. Como Robbins diz: o que não está crescendo, está morrendo.

Mas por onde começar a promover estas mudanças? Algo, certamente, precisa ser feito de uma maneira diferente, afinal, como asseverou Einstein, “loucura é fazer a mesma coisa, esperando um resultado diferente”.
Contudo, se você não sabe exatamente o que precisa mudar, a dúvida pode deixá-lo paralisado. Ficar onde se está já não é mais uma opção, mas o próximo passo não é absolutamente claro.
Nessas encruzilhadas, penso que uma reflexão sobre o lado “negativo” da mudança é sempre pertinente.
Quando pensamos em mudar, automaticamente pensamos em agir, em realizar algo de uma maneira distinta. Mas nem sempre esse é o primeiro passo.
Em verdade, para que algo novo possa ser introduzido em nossa rotina, é preciso que haja espaço para ele. Assim como   para que possamos adotar uma nova maneira de pensar, é necessário que a forma antiga, que ocupa o seu espaço, seja descartada.
Sob essa perspectiva, o primeiro passo, em realidade,  seria deixar de fazer ou pensar algo. Seria uma atitude reflexiva, negativa.
É como querer renovar o guarda-roupa, mas mantê-lo cheio das roupas velhas. Onde as roupas novas encontrarão abrigo se não criarmos esse espaço para elas?
Por isso, quando comparo onde estou e percebo que, em verdade, gostaria de estar em outro lugar,  penso em como tenho utilizado meu tempo. E observo  aquilo que não me serve mais.
Talvez seja um comportamento que não mais contribui pra que eu caminhe na direção que almejo. Às vezes é um relacionamento que não mais constitui uma boa companhia.  Podem ser hábitos nocivos que não coadunam com aquilo que eu quero alcançar. E muitas vezes, são apenas pensamentos que fazem com que eu não processe os acontecimentos de maneira positiva e construtiva.
Antes de saber o que devemos fazer de diferente, é tão ou mais importante saber o que não devemos fazer. E então, eliminando tais elementos da nossa rotina, naturalmente criamos um espaço para o novo, para atitudes, comportamentos e pensamentos mais positivos.
Há um pensamento que diz: “um homem não pode descobrir novos oceanos se ele não estiver disposto a perder a costa de vista”. E esta é uma grande verdade.
Não há como trazer o novo se o velho ocupa seu lugar. Muitas vezes, a real dificuldade está, não em realizar algo novo, mas em abrir mão do que já temos, somos, fazemos, pensamos, impedindo-nos de progredir e nos desenvolver.
Por isso, para todos aqueles que se encontram encurralados, a reflexão que proponho é: o que hoje, em sua vida, não está funcionando? O que você precisa deixar para trás, para que algo novo encontre espaço para florescer em sua vida? É um comportamento negativo, um hábito nocivo, um relacionamento ruim ?  
 
Perceba-o e escolha deixa-lo no seu passado, pois se não deixarmos para trás quem somos, nunca saberemos tudo o que podemos ser.
A mudança não precisa ser assustadora, ela pode ser tão simples quanto deixar algo pra trás.
Um futuro reluzente se aproxima, mas ele precisa de espaço para se acomodar. E cabe a nós preparar o solo onde ele vai germinar.